Wishful thinking, por favor

Nunca fui de acreditar muito nesses lances cósmicos, de energias positivas e negativas, alto e baixo astral. Até o dia da defesa do meu mestrado, quando senti na pele e passei a acreditar com mais firmeza na existência de algo como energias boas canalizadas para uma pessoa.

E, se restava qualquer dúvida, ela foi suprimida pela fé, pois apenas uma vez na vida precisei tanto de algum wishful thinking como agora: meu pai foi internado na UTI ontem à noite, sob suspeita de infarto. A médica acha que não deve ser nada, mas não foi boba de deixá-lo ir para casa, o que achei ótimo. A visita com boletim médico é daqui a pouco.

Então, por favor: wishful thinking, wishful calls, wishful commentaries – tudo para termos de volta o quanto antes neste blog aqueles comentários tipo “um beijo, filhota!” e “adoro você, sua linda!”, que constituem a milionésima parte de tudo o que de bom meu pai trouxe e traz para a minha vida, sempre.

~~~

EDITADO PARA ACRESCENTAR: Ha! Mal deu tempo de fazermos pensamento positivo, e puf – uma hora, um cateterismo e muitas unhas roídas depois, veio a notícia de que não era nada. Ou melhor, é claro que era, uma dor é sempre alguma coisa – mas definitivamente esta dor não foi causada por nenhum problema cardíaco. Ufa. Agora é passar alguns dias de molho, todos os dias se cuidando bastante, e pronto.

4 Comentários on “Wishful thinking, por favor”

  1. #1 Patrícia C.
    on Dec 14th, 2007 at 3:54 pm

    O meu pensamento positivo está com vocês, Camila! Força!
    Um abração

  2. #2 cintia
    on Dec 14th, 2007 at 7:45 pm

    Que bom que tá tudo bem. Manda beijo pro seu pai e fala pra ele se cuidar…

  3. #3 Dani Valverde
    on Dec 15th, 2007 at 2:27 pm

    Nossa! Venho aqui te visitar e tomo um susto. Ainda bem que foi “só” um susto.

  4. #4 Camila
    on Dec 16th, 2007 at 1:51 am

    Meninas, obrigada pela força! No final das contas, a dor que meu pai sentiu recaiu sobre aquela ampla categoria de dores e desconfortos para os quais os médicos não encontram nenhuma explicação plausível. Dor muscular? Estresse? Espírito obsessor? É um vale-tudo etiológico. Mas uma coisa é certa: o sangue está correndo feliz da vida pelas artérias e veias do coração dele. E isso, no momento, é o que mais importa. Beijos a vocês e também a ele, que logo logo deve estar de volta por aqui…

Deixe um comentário